"... não aceiteis o que é de hábito como coisa natural, pois em tempo de desordem sangrenta, de confusão organizada, de arbitrariedade consciente, de humanidade desumanizada, nada deve parecer natural. Nada deve parecer impossível de mudar."
Bertold Brecht

06/09/2014

Em 6.9.14 por Dr. Renan Marino     Comentários
Acredite, a falta de educação muitas vezes termina em violência, roubos, assaltos, assassinatos, depressão, políticos com deficiência moral e altos níveis de corrupção, resultando em governos autoritários e em uma sociedade injusta e desigual.

Para resolver os problemas da Educação no Brasil é preciso mais que simplesmente aumentar o financiamento público, é preciso coragem para mudar o conteúdo programático que é voltado apenas para instrução formal, repetitiva, decorada, centrada no professor, abarrotando nossas crianças com uma enorme carga de conhecimentos meramente técnicos, inúteis para formação do intelecto e sem condições de desenvolver a crítica ou questionamentos.

Os alunos são encaixados em um modelo idealizado e não real, ou seja, não são levadas em conta as diferenças individuais no processo de ensino e aprendizagem, que na maioria das vezes está fora de sua realidade, no máximo com o objetivo de prepará-los para competir e ter um lugar no mercado de trabalho.

O processo educativo, que deve respeitar a complexidade da vida humana, só faz sentido se superar a fragmentação e reducionismo a que as sociedades ocidentais contemporâneas foram levadas. O paradigma da totalidade precisa se impor para dar vida ao corpo social, que deve ser o agente educador, começando pela própria família, pela responsabilidade das empresas em geral (que empregam pais e mães), pelo Estado provedor e pela Escola em si, que deve integrar incessantemente os alunos, onde nem a matéria e nem o professor são os centros e sim o aluno proativo e motivado. Neste modelo, cabe ao professor incentivar, organizar as atividades, orientar e adequar às capacidades individuais do grupo, ou seja, o professor não ensina, auxilia o aluno a aprender.

Desde o ensino fundamental e passando pelas escolas de 1º e 2º graus, o fio condutor de todo aprendizado transformador deve ser o pensamento ecológico e sistêmico, ensinando que a vida surgiu no planeta pela cooperação, parcerias e pela formação de redes, e não pela competição desagregadora e egocentrada.

Os novos tempos pedem uma retomada de curso, com a mudança para um conceito de Educação focada na integralidade corpo-mente-espírito, em sintonia com os desafios do século XXI, buscando a formação de indivíduos auto-conscientes, com compromisso moral, espírito de coletividade e verdadeiros cidadãos!

No modelo atual, ora vigente, uns poucos privilegiados sairão vencedores e uma multidão de infelizes carregarão suas frustrações pela vida afora, empobrecendo o futuro da nação...

É um modelo falido e perverso, que já deu tudo que tinha que dar. O próprio IDEB - Índice de Desenvolvimento da Educação Básica - que foi criado em 2007 pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (INEP) para avaliar a qualidade da educação brasileira, retrata o cotidiano deste desastre ano após ano.

O processo educativo só acontece se existir amor e bom senso.

Renan Marino
Deputado Federal - 4494 - PRP/SP

Assista os vídeos de Rubem Alves no programa Provocações sobre Educação.

Vídeo 1 - Vídeo 2
Vídeo 3 - Vídeo 4

31/08/2014

Em 31.8.14 por Dr. Renan Marino     Comentários
O pediatra homeopata Renan Marino, professor da Faculdade de Medicina de Rio Preto (Famerp) e mestre em Ciências da Saúde, também é presidente do Instituto Homeopático François Lamasson (IHFL), de Ribeirão Preto, que acaba de enviar sua contribuição para o combate à doença, com base na aplicação de um complexo homeopático que desenvolveu para combater a dengue, no Brasil. A esperança é que a doença seja contida o quanto antes.

“Encaminhei protocolo de tratamento da febre hemorrágica ebola a pedido da homeopata Altunay Agaoglu, presidente da Liga Medica Homeopática Internacional (LMHI), com objetivo de cooperação internacional e, por meio de colegas homeopatas da Alemanha, que estão em contato com o governo da Liberia, colocar o protocolo em prática na área ocidental da África, a mais atingida pela epidemia”, diz.

Clique aqui para ler a matéria completa no Diarioweb.

Renan Marino
Deputado Federal - 4494 - PRP/SP

16/08/2014

Em 16.8.14 por Dr. Renan Marino     Comentários
Tem circulado uma insanidade com ares de "descobrimos a América", que com aparência de inocência juvenil busca promover um ataque à chance de acabarmos de vez com a continuidade deste atual governo confessadamente pró-marxista:

"VOTO NULO= 000 + TECLA VERDE...VOCÊ SABIA? EU NÃO!"

A pergunta é muito simples: quem sai ganhando com esta bobagem ardilosa? R: Apenas quem já está e pretende se instalar para sempre no poder!

Não precisa fazer este malabarismo todo, voto nulo é voto nulo, apenas não elege quem tem condições para ser um bom representante da vontade popular e lutar para por um fim definitivo às pretensões de ditadura comunista deste atual governo que tenta traiçoeiramente fazer passar o decreto-lei nº 8243/14!

Chega de brincadeira, já está na hora deste povo parar de ficar atrapalhando o Brasil com seus oportunismos e ações para a desconstrução sistemática da democracia republicana brasileira, dilapidando órgãos e estatais sérias, patrimônio do nosso povo, como a Petrobrás, com sua ineficiência e aparelhamento de sindicalistas e "cumpanherada" mamando nas tetas de quem trabalha de verdade e paga impostos abusivos.

E chega desta palhaçada de voto nulo que ninguém mais cai nisto não!

Vote com vontade de mudar o Brasil!

Renan Marino
Deputado Federal - 4494 - PRP/SP

Em 16.8.14 por Dr. Renan Marino     Comentários

Sou favorável à redução da maioridade penal no Brasil.

A idade penal brasileira é a mesma desde 1940! A evolução dos tempos e contexto atual do mundo interconectado tecnologicamente, trouxe profundas alterações à precocidade de consciência de responsabilidades na infância e adolescência, devido a questões de ordem biológica, como os fatores neuro-psico-endócrinos que antecipam de maneira inexorável a idade adulta, inclusive quanto ao prematuro início da vida sexualmente ativa.

Defendo as ideias do eminente professor e psiquiatra forense Dr. Guido Palomba, que propõe:

Imputabilidade apenas para menores de 12 anos.

Dos 12 aos 18 ANOS, que denominamos de "período de semi-imputabilidade", DEVE ocorrer o cumprimento de medidas sócio-educativas em proporcionalidade com a gravidade do delito.

Ao final deste período, é realizado rigorosa perícia por meio de exame psiquiátrico detalhado e minucioso, para avaliação da eventual CESSAÇÃO de periculosidade, que determinará quanto à liberação ou encaminhamento para continuidade de cumprimento de pena no Sistema Carcerário.

E mais:

Se impõe com urgência "urgentíssima" uma ampla reforma do sistema judiciário penal brasileiro, para colocar um fim à progressiva leniência das leis, que tem transformado a impunidade no principal responsável pelo aumento da criminalidade!

Renan Marino
Deputado Federal - 4494 - PRP/SP

13/08/2014

Em 13.8.14 por Dr. Renan Marino     Comentários

A consciência dos animais foi comprovada cientificamente em 2012, por um grupo de neurocientistas canadenses, chefiados pelo doutor Philip Low. Por meio de estudos comparativos entre o cérebro animal e humano, concluíram que os animais possuem consciência como todos nós, bem como emoções e sentimentos.

Todos os animais são protegidos por Leis. A Lei Federal 9.605/98, é um importante avanço na luta pelo bem estar animal, porém, poderia ser atualizada, assegurando a pena de prisão em regime fechado dos envolvidos em casos de maus tratos e crueldades extremas, não devendo ser convertida em multas ou serviços comunitários e sim seguindo o regime da progressão da pena de acordo com o mérito do infrator, porém, iniciando sempre em regime fechado.

É necessário apoiar as Sociedades de Proteção e Abrigos de animais já instituídos e em funcionamento, para que consigam realizar o trabalho de proteção, abrigo, amparo, conscientização sobre a posse responsável e doação de animais maltratados e abandonados, inclusive implementando o acompanhamento periódico para que não retornem às ruas ou aos maus tratos, mesmo que em alguns casos, seja necessário oferecer suporte na manutenção e cuidados como ração, vermifugação ou castração.

Nossos animais de estimação não podem ficar apenas na dependência da caridade, do acaso, de improvisações ou da iniciativa privada, devido aos altos custos. A saúde humana também tem relação direta com a saúde da população canina e felina domiciliada ou de rua.

Já passou da hora de termos uma política pública de saúde animal bem definida, voltada para a atenção destes, que hoje, fazem parte ativa na vida das nossas famílias.

É premente a criação de um modelo assistencial para animais de estimação, de pequeno e médio porte, em nível nacional, que podemos chamar de "PET-SUS", com assistência em Medicina Veterinária gratuita em todos os níveis de atenção animal, incluindo urgências e cirurgias eletivas, castração para controle de superpopulação de animais de rua, exames complementares de Laboratório ou de Imagem, como Ultrassom, Raio-X, Ressonância Magnética, Tomografia Computadorizada e tratamento Oncológico.

E esta gratuidade precisa se estender aos medicamentos básicos, como vermífugos, analgésicos, antibióticos, antifúngicos, entre outros.

A vacinação sistemática e a educação em saúde animal é essencial para prevenção de importantes zoonoses, como a raiva e a leishmaniose, que hoje tem tratamento e vacina, colocando fim ao sacrifício de animais!

Calculando-se a média nacional de cães e gatos por habitante em 1:10 da população, pode-se planejar 1 unidade básica de saúde animal - UBS/A - para cada área censitária de 40.000 habitantes.

Em Rio Preto teríamos, por exemplo, cerca de 10 postos de atenção animal em diferentes bairros da cidade, referenciados com a logística de Hospitais Veterinários para atendimento de maior complexidade ou até mesmo de especialidades integrativas e complementares como a Acupuntura e Homeopatia para cães e gatos. Eventualmente procedimentos em regime extraordinário como hemodiálise, além das especialidades veterinárias clássicas como cardiologia, neurocirurgia, gastroenterologia, entre outras, que com certeza podem e vão salvar a vida de muitos animais.

Os maus tratos e o abandono estão intimamente ligados a atitudes culturais ultrapassadas, confirmando a necessidade de programas educativos contínuos nas escolas que ensinem as novas gerações a respeitarem e cuidarem dos animais e do meio ambiente. Por meio de projetos, cartilhas, trabalhos de campo, que colaborem para estimular a compaixão e principalmente, a responsabilidade de cada um na proteção e preservação do planeta.

Renan Marino
Deputado Federal - 4494 - PRP/SP

02/08/2014

Em 2.8.14 por Dr. Renan Marino     Comentários
Renan Marino é médico, professor da Faculdade de Medicina de Rio Preto e presidente do conceituado instituto de pós-graduação em Homeopatia, o "François Lamasson" de Ribeirão Preto.

Hoje é conhecido nacionalmente pelo seu trabalho de combate à dengue, sendo o inventor e pesquisador do 1º e único medicamento aprovado pela Anvisa para tratamento da dengue.

Isto ocorreu em dezembro de 2008, após aprovação em testes de experimentação animal, realizados no Laboratório de Pesquisa de Fármacos da Universidade Federal do Amapá, em complementação aos estudos populacionais.

O medicamento já foi empregado para controle de epidemias de dengue em mais de 50 cidades brasileiras, em várias unidades da federação como São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Espírito Santo e recentemente em Goiás, incluindo sua capital Goiânia.

Renan Marino foi o presidente do diretório acadêmico que em 1979 colocou fim ao controle da fundação particular mantenedora da Faculdade Regional de Medicina - a famigerada "FRESA"- ao conseguir a Intervenção Federal que a tornou uma escola médica pública ou seja, a atual FAMERP.

Em 1985 introduziu a homeopatia no Serviço Público de Saúde de Rio Preto, no antigo Inamps, pioneiro nesta especialidade no interior de São Paulo. Ainda no final desta década criaria na FAMERP o 1º ambulatório de "Homeopatia em Pediatria" do país, em funcionamento até hoje.

RENAN MARINO - Nº 4494 - é candidato a DEPUTADO FEDERAL pelo PRP - Partido Republicano Progressista.
Em 2.8.14 por Dr. Renan Marino     Comentários
A saúde do brasileiro não depende absolutamente em nada da importação de médicos estrangeiros, ela depende apenas de um serviço público bem estruturado, com planejamento e financiamento adequado e principalmente da valorização de TODOS os profissionais da Saúde, e notem bem, não se resume apenas ao médico!

A abordagem do processo de saúde/doença, precisa ser obrigatoriamente humanizada, com ênfase na atenção básica, incorporando ao sistema público de saúde as medicinas tradicionais há muito recomendadas pela Organização Mundial de Saúde, como a homeopatia, acupuntura, fitoterapia e outras, além de revitalização e investimento no médico clínico geral e pediatras que devem representar a coluna vertebral da atenção médica. Buscando-se a racionalização das práticas e a prevenção intensiva, afastaremos de fato as garras da Indústria da Doença das artérias do SUS!

Em 2.8.14 por Dr. Renan Marino     Comentários
Como especialista em epidemias proponho que a analogia com o sistema imunológico no organismo humano, seja o modelo para combater a grave epidemia narco-moral que assola o corpo social das cidades brasileiras. Somente desta maneira se colocaria um fim à calamidade do Crack & Afins, que degrada o caráter e transforma o homem em algo monstruoso e não-humano, e que segue financiando com vidas humanas a maioria das modalidades criminosas da atualidade.

Bastaria apenas coragem e determinação política para cumprir a constituição federal, instituindo o controle rigoroso e absoluto de nossas fronteiras por terra, água e ar. Com o foco correto na etiologia do problema, cortamos esta contagiosa enfermidade social pela raiz. É pura insensatez seguir enxugando gelo!

Com uma Polícia Federal aparelhada e valorizada profissionalmente e o Exército Nacional mobilizado por inteiro para este desafio, colocaríamos um fim a esta traiçoeira guerrilha urbana que vem destruindo lares, punindo inocentes, criando órfãos em profusão e matando cada vez mais e mais, aos milhares... Porquê será que uma análise tão simples e lógica deste câncer que hoje mata o Brasil, fica tão complicada para ser colocada em prática??!

Até porque não somos produtores de Coca!